Blog da Editora Dialética

Educadora e Pesquisadora Regina Célia Fernandes da Costa Perpétuo lança livro ”A alfabetização de crianças com diagnóstico de deficiência intelectual: o direito à diferença”, obra que, dentre muitos aspectos, busca chamar a atenção da sociedade para esta realidade.

Regina Célia Perpétuo é Mestra em Educação pela Universidade Nove de Julho - UNINOVE, Pós-graduada (lato sensu) em Gestão pela Universidade Anhembi Morumbi, em Docência do Ensino Superior e em Psicopedagogia pela Faculdade Campos Elíseos, Graduada em Pedagogia pela Universidade Guarulhos - UNG e em Letras pela Universidade Brás Cubas - UBC.

Crianças com Deficiência Intelectual são capazes de aprender a ler e escrever. No entanto, necessitam de um pouco mais de atenção e cuidados no estímulo desses aprendizados. Para isso, são necessários educadores capacitados e pessoas conscientes que conheçam e entendam esta condição, de modo a desempenhar o papel de ajudá-las a desenvolverem tais habilidades. É nesse aspecto que se desenvolve o livro ”A alfabetização de crianças com diagnóstico de deficiência intelectual: o direito à diferença”, da educadora Regina Célia Fernandes da Costa Perpétuo

A profissional da educação atua no ramo há 35 anos e conta que teve a oportunidade de estar em vários cargos dentre esse período, formando e sendo formada. Regina Célia é Mestra em Educação pela Universidade Nove de Julho – UNINOVE,  Pós-graduada (lato sensu) em Gestão pela Universidade Anhembi Morumbi, em Docência do Ensino Superior e em Psicopedagogia pela Faculdade Campos Elíseos, além de Graduada em Pedagogia pela Universidade de Guarulhos – UNG e em Letras pela Universidade Brás Cubas – UBC. 

Minha formação acadêmica foi tão longa e intensa quanto os cargos que ocupei, pois acredito ser o amparo teórico a estrutura da prática, ambos devem coexistir”, declara a educadora. 

Regina Célia nasceu e mora atualmente no estado de São Paulo, mais precisamente em Itaquaquecetuba. Em sua carreira profissional a educadora atuou como professora na rede estadual de São Paulo por 18 anos e na prefeitura da cidade por 9 anos. Somado a isso, foi supervisora de ensino da rede estadual por 3 anos, cargo que precisou exonerar para assumir outro posto, dessa vez como diretora de escola na prefeitura de São Paulo. Contudo, a educadora atuou ainda como supervisora de ensino da rede municipal do estado de São Paulo. 

Tanto o amor por lecionar quanto, principalmente, o fato do seu filho ter sido diagnosticado com autismo e deficiência intelectual desencadearam o interesse de Regina Célia em produzir a obra  ”A alfabetização de crianças com diagnóstico de deficiência intelectual: o direito à diferença”, fruto de sua dissertação de Mestrado. A autora relata que ela e seu filho enfrentam diversas barreiras para o desenvolvimento dele. Desse modo, ela desenvolveu essa pesquisa sobre a alfabetização de crianças com deficiência intelectual para se aprofundar na temática e oferecer ao mesmo tempo formação e reflexões aos seus leitores. 

O livro de pouco mais de 160 páginas, prefaciado por Rosiley A. Teixeira, é uma obra detalhada e de linguagem clara e informativa que trás a perspectiva de uma mãe que passou pela realidade de ajudar e auxiliar seu próprio filho no processo de aprendizagem e, ao mesmo tempo, o olhar de uma pesquisadora que buscou identificar, por meio de suas investigações, mais questões capazes de ajudar outras pessoas neste mesmo processo, além de conscientizar e chamar a atenção da sociedade para esta realidade.

Para Regina Célia, sua obra leva o leitor a refletir sobre o preconceito e a necessidade de uma inclusão real. A autora reitera que na sociedade a proposta de inclusão é de fato ilusória e para ser real é necessária uma transformação nas próprias relações sociais. Nesse sentido, a conversão de sua dissertação em livro veio com a proposta de expandir a pesquisa para mais leitores além do meio acadêmico. 

A intenção é dar visibilidade a minha pesquisa, pois a obra reforça meu compromisso com a inclusão e com o direito à garantia de aprendizagem a todas as pessoas. 

Regina Célia Perpétuo é Mestra em Educação pela Universidade Nove de Julho – UNINOVE, Pós-graduada (lato sensu) em Gestão pela Universidade Anhembi Morumbi, em Docência do Ensino Superior e em Psicopedagogia pela Faculdade Campos Elíseos, Graduada em Pedagogia pela Universidade Guarulhos – UNG e em Letras pela Universidade Brás Cubas – UBC / Foto: Arquivo Pessoal.

Em muitos casos quando se finaliza uma pesquisa acadêmica, seja ela uma tese de doutorado ou uma dissertação de mestrado, e ela mantida apenas no meio acadêmico, a pesquisa tende a ficar privada apenas para este público, ou simplesmente esquecida nas bibliotecas das universidades. No entanto, quando são transformadas em livros, além de alcançar os mais diferentes tipos de leitores, a obra adquire maior visibilidade, o que por consequência expande consideravelmente o tema de estudo para uma maior parcela da sociedade, fato que Regina Celia pretende com a publicação do seu livro

A autora defende que o mestrado proporcionou a ela conhecimento e estrutura para palestrar, contando sobre sua história e estudos, o que por sua vez ajuda a conquistar espaço para a proposta de uma nova inclusão.

“Quero oferecer aos meus leitores, informações e conhecimentos necessários para refletirem sobre o preconceito, ideologias subjacentes ao conceito de pessoa com deficiência como incapaz e a acreditarem nas potencialidades de cada um, independente de qualquer ‘deficiência’”, pontua Regina Célia.

Por se tratar inicialmente de uma pesquisa, o livro  ”A alfabetização de crianças com diagnóstico de deficiência intelectual: o direito à diferença” gerou alguns desafios para a educadora, encontrados durante o desenvolvimento e o amadurecimento do estudo. Foram dois anos de estudos em que a pesquisadora relata ter vivido um grande aprendizado, mas teve também como imenso desafio a necessidade de se afastar dos sentimentos de mãe enquanto exercia a pesquisa.

Fato que ao mesmo tempo é considerado marcante para a pesquisadora, pois a produção desta obra proporcionou a ela a oportunidade de reviver a sua história com seu filho. “Poder exteriorizar esse processo, registrar e refletir sobre o processo de aprendizagem de crianças com deficiência intelectual, desvelando concepções e práticas positivas, identificando questões dificultadoras nesse processo e propondo intervenções”, a autora aponta que foi extremamente relevante. 

Por essa razão, Regina Célia afirma que ter este estudo publicado como livro é muito gratificante, já que trás materialidade para o seu desejo de tocar, emocionar e mobilizar as pessoas, dentre elas, outras mães, outros educadores e todas as pessoas indignadas com o preconceito e com a normalidade imposta pela sociedade. 

O principal objetivo não é conquistar títulos e nem pontos para a evolução na carreira. Tenho como objetivo principal através da minha história e da minha pesquisa levar as pessoas a refletirem sobre a inclusão, o preconceito da sociedade e a necessidade emergente de romper as barreiras atitudinais

Regina Célia Perpétuo é Mestra em Educação pela Universidade Nove de Julho – UNINOVE, Pós-graduada (lato sensu) em Gestão pela Universidade Anhembi Morumbi, em Docência do Ensino Superior e em Psicopedagogia pela Faculdade Campos Elíseos, Graduada em Pedagogia pela Universidade Guarulhos – UNG e em Letras pela Universidade Brás Cubas – UBC.

Para tanto, a composição de ”A alfabetização de crianças com diagnóstico de deficiência intelectual: o direito à diferença” contou com embasamento teórico de grandes pensadores e estudiosos, como, Vygotsky, Ramon M. Cosenza, Leonor B. Guerra, Magda Soares, Telma Weisz, Emília Ferreiro, Ana Teberosky, Roxane Rojo, Ana Elisa Ribeiro e Carlos Skliar

A obra de Regina Célia abarca áreas que contemplam a formação de um ser humano cidadão e consciente. Nesse sentido, é possível identificar na produção componentes educacionais, filosóficos, políticos (não partidários), históricos e sociológicos, dentre muitos outros. 

Ao ser questionada se pretende continuar com os estudos na área para uma possível segunda edição do livro ”A alfabetização de crianças com diagnóstico de deficiência intelectual: o direito à diferença”, a autora afirma que essa é uma grande possibilidade. 

Gostaria de publicar histórias de outras mães e levar ainda mais os leitores a refletirem sobre a garantia do direito a uma vida de qualidade social a todas as pessoas.

Regina Célia Perpétuo é Mestra em Educação pela Universidade Nove de Julho – UNINOVE, Pós-graduada (lato sensu) em Gestão pela Universidade Anhembi Morumbi, em Docência do Ensino Superior e em Psicopedagogia pela Faculdade Campos Elíseos, Graduada em Pedagogia pela Universidade Guarulhos – UNG e em Letras pela Universidade Brás Cubas – UBC.

Sempre pensando na questão da acessibilidade e do conforto de cada indivíduo, para auxiliar os seus leitores, a pesquisadora publicou ainda seu livro em dois dos três formatos oferecidos pela Editora Dialética, o impresso e o e-book. Dessa maneira, ela consegue atingir um público maior de leitores, fomentando também a inclusão e os cuidados com o meio ambiente.

“Não oferecemos audiobook. A editora publicou meu livro em formato impresso e e-book para atender às preferências do público alvo”, explica a pesquisadora. 

A Editora Dialética preza a inclusão e sustentabilidade junto às preferências de leitura do público, por isso oferece a publicação em e-book, importante para a inclusão digital e para tornar a leitura mais rápida e dinâmica, a publicação em formato de áudio-book, que é uma ferramenta extremamente relevante para que pessoas com deficiência e/ou dislexia possam se inserir como leitoras, e a publicação impressa por demanda, que ajuda a combater os impactos ambientais por meio do uso consciente do papel.

Você também tem alguma pesquisa ou estudo relevante a ser publicado como livro? Publique você também o seu estudo acadêmico e forneça material didático para a sua área de pesquisa. Clique aqui e converse com um de nossos consultores editoriais sobre como publicar sua tese e/ou dissertação como livro. Ou clique aqui e converse com um dos nossos consultores editoriais sobre como publicar seu artigo científico como capítulo de livro.

Gostou? Compartilhe com mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Inscreva-se em nosso blog.

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu e-mail.

POSTS MAIS RECENTES

Livro “E se tivesse sido assim?”, publicado pelo autor Roberto Guimarães da Silva, onde ele sintetiza romantismo, mistério e ficção, além fornecer dicas práticas para aqueles que almejam uma vida tranquila e estabilizada

Trainer de equipes com foco em processo e gestão pessoal para autoconhecimento e liderança, Roberto Guimarães da Silva é, dentre outras coisas, Palestrante e escritor, Master Coach, Geógrafo, Militar de carreira e Engenheiro. O profissional conta com mais de 25 anos de experiência na área de desenvolvimento humano, atuou em áreas como gestão de pessoas, comando e instruções de tropa e operações militares, logística, tecnologias de informação e comunicação e liderança de grupo.

Leia mais »

No livro “O teletrabalho/home office no Poder Judiciário brasileiro”, Luciana Faria de Carvalho relata, dentre outros aspectos, a experiência do regime de trabalho no Tribunal de Justiça de Mato Grosso durante o período da pandemia de Covid-19

Doutoranda e Mestre em Direito, Especialista em Direito Processual Civil e Processo Penal, Luciana Faria de Carvalho lança livro que traz um diálogo não apenas com as regras e os aspectos do direito do trabalho, mas uma perspectiva do direito administrativo, com nuanças do direito constitucional e direito ambiental.

Leia mais »

Elaine Ferreira dos Santos, autora do livro “O discurso de um grupo musical: rap” lança obra para professores e todos os interessados em conhecer o gênero Rap 

Doutora em Língua Portuguesa com ênfase em Análise do Discurso – Literatura Africana, PUC-SP, Mestre em Língua Portuguesa com ênfase em Análise do Discurso nas Letras de Rap, PUC-SP, dentre outras formações, Elaine Ferreira dos Santos atua como professora desde 1990 no ensino fundamental e médio e em 2003, iniciou no Ensino Superior prestando serviços em diversas Universidades.

Leia mais »

Quer receber mais conteúdos excelentes como esses de graça?

Inscreva-se para receber nossos conteúdos por email.

Avenida Brigadeiro Faria Lima, 4.221 – 1º andar, Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04538-133 // Telefone: (11) 4118-6308