Blog da Editora Dialética

Livro “Hércules no Eta: uma tragédia estoica”, do escritor José Geraldo Heleno, é a primeira tradução em português da tragédia estoica do filósofo romano Lúcio Aneu Sêneca

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo - USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF.

A crítica textual, em seu conceito mais simplificado, é caracterizada como uma ciência, na intersecção da história, da filologia, da crítica literária e da literatura, que estuda a composição textual e suas circunstâncias de composição, bem como a tradição dos textos antigos até os dias atuais. Esses são alguns dos elementos que o escritor e pesquisador José Geraldo Heleno apresenta em seu livro “Hércules no Eta: uma tragédia estoica”.

A obra é uma composição derivada da tese de doutorado de José Geraldo em Estudos Clássicos e tem por característica a análise e tradução literal do livro “Hércules no Eta” do latim para o português, livro do tragediógrafo e filósofo estoico romano Lúcio Aneu Sêneca. A análise de José Geraldo traz ainda uma comparação do estoicismo com as discussões atuais. 

O estoicismo especialmente na visão romana e especificamente  na visão de Lúcio Aneu Sêneca é uma visão bastante afinada com os tempos em que nós vivemos,  uma vez que as questões sociais, políticas e de violência que vivemos atualmente têm alguma semelhança com o Império Romano do século primeiro da nossa época. 

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

O escritor conta que a cultura romana passou a fazer parte da sua vida bem cedo, pois já no primeiro grau, que na época o latim fazia parte, ele começou a se interessar pela temática e desde então não parou de se dedicar a essa paixão. 

O meu interesse pelo estoicismo ele se dá há bastante tempo. Primeiro porque a minha formação é uma formação católica e eu vejo, via mais do que vejo hoje, algumas semelhanças entre a moral estoica e a moral cristã.

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

Nascido em Cipotânea – MG, José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF. Somado a essa trajetória acadêmica vivenciada em três das melhores universidades do país, o estudioso é Professor universitário aposentado,  Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil – R.F.B aposentado e conta com diversos outras publicações além de “Hércules no Eta: uma tragédia estoica”.  Atualmente José Geraldo vive no município de Barbacena – MG e pertence a grupos voltados para a pesquisa, discussão e produção literária, dentre elas a Academia Juiz-forana de Letras.

Não há na atualidade, além da obra “Hércules no Eta: uma tragédia estoica”, outras traduções de “Hercules no Eta” do filósofo Sêneca. Portanto, José Geraldo apresenta ao leitor um livro inédito no Brasil. Nesse sentido, é fundamental ressaltar que o pesquisador se propôs a  traduzir diretamente do latim o original “Hercules no Eta”, e para isso foi necessária a leitura de toda obra de Sêneca. 

O objetivo do livro de José Geraldo é demonstrar que o pensamento estoico e de Sêneca estavam refletidos na tragédia “Hércules no Eta”, apesar de a arte não ser um dos pensamentos preferidos do pensamento estoico, que é um pensamento bastante utilitarista, conforme esclarece o pesquisador. 

O pensamento estoico está diluído na tragédia. O pensamento estoico Senequiano tem uma semelhança com o epicurismo, naquilo que diz respeito ao ‘Carpe Diem’, ao ‘goze o momento’, ao ‘aproveite o momento presente’.  Para ele, o tempo que existe é o tempo presente, porque é um tempo que já se foi e o futuro é incerto. Nós não sabemos o que acontecerá.

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF. / Foto: Arquivo Pessoal.

O centro de tudo isso,  José Geraldo acredita ser a virtus, que se traduz como virtude. No entanto, ele explica que não é a virtude do ponto de vista cristão, mas sim uma virtude que praticada garante ao virtuoso uma recompensa futura. O pesquisador defende que o pensamento estoico, e o de Sêneca especialmente, não está preocupado com uma compensação futura, porque o tempo para ele é o presente. Dado tal fato, a virtus é uma força do sujeito sobre o objeto, seja qualquer objeto, principalmente aquele que pode tolher a liberdade de escolha do homem pela imposição e apelo dele sobre o sujeito. 

Foi por conta de toda essa dedicação depositada a pesquisa e ao entendimento profundo da obra “Hercules no Eta”, considerada a tragédia mais estoica da literatura romana, para consequentemente produzir o livro “Hércules no Eta: uma tragédia estoica”, que José Geraldo resolveu publicar a pesquisa como livro pela Editora Dialética. Ele conta que a publicação da tese em forma de livro pode ser bastante útil para o período atual, já que é a primeira tradução da tragédia de Sêneca em língua portuguesa. 

A publicação desta tragédia “Hércules no Eta” para mim é fundamental, porque ela é o coroamento de um trabalho muito intenso que eu fiz durante anos com dedicação. 

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

Outro ponto que o pesquisador destaca é o fato dele estar se voltando bastante para a crítica textual nos últimos tempos e, de acordo com ele, o objeto de estudo dessa tese proporcionou uma visão ainda mais ampla do pensamento clássico, que é um pensamento perfeitamente projetável para a atualidade. 

A Editora Dialética possui um time de conselheiros editoriais composto por profissionais nacionais e internacionais das mais diversas áreas. Esses profissionais avaliam os autores e os trabalhos de excelência desenvolvidos pelos pesquisadores e acadêmicos para que esses profissionais e seus trabalhos, ambos de extrema relevância, como é o caso de José Geraldo, possam fazer parte do time seleto de autores da Dialética. 

José Geraldo relata que quando a Editora Dialética entrou em contato solicitando os originais da tese e esta foi analisada de forma a retornar com selo positivo no sentido de que é um trabalho que merece ser publicado, ele ficou muito feliz. 

A partir daí eu me entusiasmei pela publicação, fui muito bem recebido, muito bem atendido e só tenho a agradecer. Eu participei da escolha da capa do livro e achei bastante interessante. O capista criou uma imagem do Hércules bastante importante, usando como capa mesmo a pele do Leão de Neméia que é ícone um na definição da personagem principal.

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

Somado a tudo, José Geraldo destaca que o mais marcante  na produção da sua obra “Hércules no Eta: uma tragédia estoica” foi de fato a própria tradução do livro original que proporcionou a ele uma imersão maior também em ideais de outros autores em relação a obra “Hércules no Eta”. Já que para entender o pensamento de Sêneca, ele teve que ler outros estudiosos que também se debruçaram sobre o pensamento e a obra do filósofo e sobre a literatura clássica latina e grega. Essa experiência, segundo o escritor, o fez perceber a singularidade do seu próprio trabalho de tradução. 

A tradução pra mim é uma vitória. E depois da tradução feita eu confrontei com outras traduções em inglês em italiano e em espanhol. E a minha tradução é uma tradução fiel ao texto latino, é uma tradução que não se assemelha,  ou melhor, não se compara com as traduções em outras línguas, é uma tradução original realmente minha, isso é uma marca importante.

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

Para ajudar na fundamentação da obra, José Geraldo relata que contou com o apoio de amigos, como o professor Jacyntho José Lins Brandão e da professora Zélia de Almeida Cardoso, sua orientadora falecida recentemente. Além disso, a Universidade de São Paulo, cidade onde ele morou durante um ano para ficar mais próximo das fontes de pesquisas, as próprias obras de  Sêneca e a Fundação Hart, na Suíça, foram outras fontes de apoio que o escritor destaca. 

Para fazer algumas leituras de escritores mais modernos José Geraldo precisou se deslocar até a Fundação Hartz, onde residiu por cerca de duas semanas para confrontar obras às quais não teve acesso no Brasil, conforme ele conta.

Como autor, José Geraldo argumenta que a escrita tem um peso muito grande para qualquer carreira, pois quando o indivíduo se apresenta em algum lugar como escritor o respeito que outras pessoas têm é muito grande. 

O escritor ainda é visto com certo distanciamento, essa não é a parte boa não. A parte boa é realmente o respeito. Isso é importante. Quem escreve conquista respeito e também se expõe, quem escreve abre a sua alma. 

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

O autor acrescenta que a escrita é um mergulho profundo no interior de si mesmo, o que proporciona ao escritor se tornar leitor da própria obra. Segundo José Geraldo, seu livro “Hércules no Eta: uma tragédia estoica” já lhe proporcionou inúmeras perspectivas, pois em sua proposta de crítica literária e na defesa da arte e da literatura ele se considera reiniciando uma parte importantíssima da sua carreira, que implica em mostrar para as pessoas como a arte é fundamental para etiquetar e legendar o mundo. 

Por essa razão, a obra que tem um viés filosófico, calcado no pensamento de Sêneca em relação à filosofia estoica e apresenta componentes capazes de interessar diferentes pessoas, em especial as que gostam de latim, os apreciadores da tragédia clássica, da tragédia latina especialmente a tragédia grega. 

A obra “Hércules no Eta: uma tragédia estoica”  é um livro que permite em uma só obra múltiplas formas de leitura, pois é um livro extremamente pragmático, assim como o pensamento estoico. 

A maioria dos leitores vai ler apenas a tradução em língua portuguesa. Eu tenho certeza disso. Outros mais ligados à cultura clássica que sabem latim provavelmente vão confrontar com a tradução, outros vão ler mesmo na íntegra, em latim. 

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

Sendo assim, independente de como o leitor escolha ler “Hércules Eta: uma tragédia estoica”, o autor acredita que vale a pena começar a leitura pela conclusão, caracterizada por ser uma conclusão simples e direta. 

O pesquisador expõe que o desafio pelo qual passou na produção de sua obra foi a leitua de Sêneca, não no sentido da linguagem, mas no que diz respeito à extensão das publicações do filósofo.

São cerca de nove tragédias,  cento e vinte ou cento e dezenove, cartas a Lucílio e tem livros das consolações. É uma obra muito grande. E naturalmente eu tive que lê-la em latim. Esse foi o principal desafio. 

José Geraldo, além de Doutor em Estudos Clássicos pela Universidade Federal de São Paulo – USP, é Mestre em Teoria Literária pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e graduado em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF.

José Geraldo afirma que publicar um novo livro nessa mesma vertente é uma possibilidade, principalmente a partir do feedback que certamente terá a partir da publicação de “Hércules no Eta: uma tragédia estoica”. No entanto, no momento ainda há um projeto.

Você também tem alguma pesquisa ou estudo relevante a ser publicado como livro? Publique você também o seu estudo acadêmico e forneça material didático para a sua área de pesquisa. Clique aqui e converse com um de nossos consultores editoriais sobre como publicar sua tese e/ou dissertação como livro. Ou clique aqui e converse com um dos nossos consultores editoriais sobre como publicar seu artigo científico como capítulo de livro.

Gostou? Compartilhe com mais pessoas!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Inscreva-se em nosso blog.

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu e-mail.

POSTS MAIS RECENTES

Romance, ficção, política e outros temas estão presentes no livro “Sem Trégua: um legado de ensinamentos de como sobreviver à pobreza e à vida profissional no meio político”, da escritora Aracilba Alves da Rocha. Livro publicado pela Editora Dialética será lançado em 8 de julho em João Pessoa

Aracilba Alves da Rocha é uma profissional que vive atualmente em João Pessoa, na Paraíba e possui 40 anos de experiência em administração de empresas públicas. A escritora é Graduada em Engenharia Civil, Especialista em Gerenciamento de Empresas Públicas, Planejamento Urbano, Gestão de Habitação Popular e Finanças Públicas. Além disso, possui vasta experiência em Gerenciamento Executivo, que abrange empresas do Setor Elétrico, Telefonia, Saneamento e Transporte, Finanças Públicas, Administração e Planejamento.

Leia mais »

Escritor, Fernando Couto de Magalhães, publica a obra “Instituto Hawkins e as anomalias do tempo”, ficção científica que conta a história de um paleoantropólogo brasileiro que viaja por diversas partes do mundo em prol de descobertas pré-históricas 

Fernando Couto de Magalhães possui formação em Comunicação Social, é Pós-Graduado em Ciências Humanas – História, Filosofia e Sociologia e possui cursos de extensão em universidades como Harvard e Universidade de Columbia nos campos da História da Globalização, Arqueologia e Museologia. Para o escritor, ser lançado no Brasil como autor de ficção científica é uma realização “incrível”.

Leia mais »

Educadora e Pesquisadora Regina Célia Fernandes da Costa Perpétuo lança livro ”A alfabetização de crianças com diagnóstico de deficiência intelectual: o direito à diferença”, obra que, dentre muitos aspectos, busca chamar a atenção da sociedade para esta realidade.

Regina Célia Perpétuo é Mestra em Educação pela Universidade Nove de Julho – UNINOVE, Pós-graduada (lato sensu) em Gestão pela Universidade Anhembi Morumbi, em Docência do Ensino Superior e em Psicopedagogia pela Faculdade Campos Elíseos, Graduada em Pedagogia pela Universidade Guarulhos – UNG e em Letras pela Universidade Brás Cubas – UBC.

Leia mais »

Quer receber mais conteúdos excelentes como esses de graça?

Inscreva-se para receber nossos conteúdos por email.

Avenida Brigadeiro Faria Lima, 4.221 – 1º andar, Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04538-133 // Telefone: (11) 4118-6308